“Vale Tudo”; “Tieta” entre outras tramas já podem ser reexibidas em horário vespertino


No dia 31 de agosto o supremo tribunal federal aprovou uma lei que beneficia e muito as emissoras de televisão, noque diz respeito a classificação indicativa- que determina a idade indicada para que determinado programa na TV seja assistido.

Leia também: Nova minissérie da Globo abordará período de nazismo. 

Com essa alteração, alguns programas e novelas que anteriormente não poderiam ser exibidas em horários vespertinos, sem passarem por uma grande quantidade de cortes, agora poderão ser colocados na programação das emissoras normalmente.

Para se ter uma ideia, programas indicados para 16 anos, por exemplo, não podiam ser exibidos no período vespertino na televisão aberta, seja pela violência ou por conter cenas de sexo.

Resultado de imagem para anjo mau

A novela “Anjo Mau”, atualmente reexibida à tarde, por exemplo, teve que passar por uma série de cortes em algumas cenas mais violentas. Com a nova regra, esse cortes não são mais necessários. O Supremo enfatizou, entretanto, que mesmo com a nova lei, situações que podem ser consideradas como abusos por parte das emissoras poderão ser investigadas e denunciadas pelo Ministério Público.

Leia também: Sucesso da Fox, “1 Contra Todos” terá segunda temporada. 

Com este novo cenário, uma série de novelas que pela regra antiga tinham poucas chances de serem reprisadas no “Vale a Pena Ver de Novo”, agora poderão entrar no horário com mais facilidade, fazendo a alegria dos nostálgicos fãs da Globo.

“Vale Tudo” (1988)

Beatriz Segall e Nathalia Timberg em cena da novela

 Um dos maiores sucessos da dramaturgia nacional de todos os tempos, “Vale Tudo” marcou história na televisão brasileira com sua discussão sobre a corrupção e o “jeitinho brasileiro”.

A novela até chegou a ser reprisada no “Vale a Pena Ver de Novo” em 1992, mas encontraria dificuldades em ser reprisada hoje em dia por força da legislação vigente até então.

Leia também: “Justiça” ainda nem acabou, mas já pode ser considerada a produção do ano na Globo. 

Com as novas regras, as cenas mais violentas não precisariam ser cortadas, como o assassinato de Odete Roitman (Beatriz Segall), que produziu um dos mistérios de “quem matou?” mais famosos da dramaturgia brasileira.

“Tieta” (1989)

Perpétua (Joana Fomm) em

Com cenas bastante ousadas, “Tieta” foi um grande sucesso de Aguinaldo Silva que conseguiu criar uma adaptação primorosa do romance de Jorge Amado, que misturou realidade e elementos fantásticos para contar a saga da personagem vivida por Betty Faria.

Com cenas de nudez e outros elementos, a novela teria bastante dificuldade de ser reprisada no “Vale a Pena” por conta da classificação indicativa. Com as novas regras, quem sabe os fãs não possam retornar ao Agreste e reviver todas as emoções desta clássica novela.

“Celebridade” (2003)

Malu Mader e Cláudia Abreu em cena de

Inteligente crítica social de Gilberto Braga, essa novela falava sobre a cultura de celebridades e sobre o desejo, quase que descabido de algumas pessoas, de atingir a fama e o sucesso. Por meio de personagens como Darlene (Deborah Secco) e Jacqueline (Juliana Paes), a trama discutiu os limites do bom senso que algumas pessoas ultrapassam para chamar a atenção dos outros e atingir o estrelato.

Leia também: “A Lei do Amor”, a nova aposta para elevar a moral do horário nobre da Globo. 

Por conta de algumas cenas bastante fortes, como o assassinato de Lineu (Hugo Carvana) e a morte de Laura (Cláudia Abreu), essa novela, que se tornou um clássico dos anos 2000, talvez encontrasse dificuldade para ser reprisada nas tarde da Globo. Agora, com a flexibilização das regras, os fãs talvez possam rever este grande sucesso, sem cortes.

 “A Favorita” (2008)

Claudia Raia, Mariana Ximenes e Patricia Pillar em

O drama de Flora (Patricia Pillar) e Donatela (Claudia Raia) foi um dos mais impactantes dos últimos anos da teledramaturgia nacional. A novela começou dúbia, sem revelar diretamente ao público quem era a vilã e quem era a mocinha e atiçou a curiosidade do público, que ao descobrir quem era quem, embarcou de vez na história até o fim.

A novela também foi uma das mais violentas e sombrias dos últimos anos, com a cena em que Flora arma para que Gonçalo (Mauro Mendonça) acredite que ela matou sua família e o faz morrer de um ataque do coração sendo uma das mais representativas disso. Tais questões poderiam afastar este sucesso recente das novelas da Globo do horário do “Vale a Pena”. Entretanto, isso agora pode mudar.

“Avenida Brasil” (2012)

Adriana Esteves e Débora Falabella em cena de

Outro estrondoso sucesso de João Emanuel Carneiro, esta novela se tornou rapidamente um dos maiores sucessos da dramaturgia nacional dos últimos tempos. O público ficou cativado pela trama de vingança de Rita (Débora Falabella) contra sua madrasta Carminha (Adriana Esteves), que destruiu sua vida quando ela era apenas uma criança.

Leia também: “Supermax” chega com aposta ousada que se bem desenvolvida promete chamar a atenção. 

A vilã, por exemplo, caiu no gosto do público e já é lembrada como uma das maiores na história das novelas. A trama era muito violenta para os padrões da antiga versão da classificação indicativa. Agora, com a nova regra, talvez o público possa rever as tiradas impagáveis de Carminha.

Leia mais em: MIX OU MISTO

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s